KALUNGAS – Vão das Almas

porque uma dose de fábula kalunga não faz mal a nenhum destino. Em tempos de luta, revoluções, involuções e vômitos pelos cantos do país, há o brandão da reza-forte, do batuque das mulheres, do canto dos Reis, do terço-amuleto, da cruz cravada no céu pedindo chuva, das parteiras, dos curandeiros, do rasgo das enxadas, das ervas dos véios, das garrafadas, da cachaça, da cura profana nas terras que testemunham tudo. Um salve à verdadeira política guerreira, seca, que luta por si mesma nas dobras do profundo. 

Pesquisa realizada em Teresina (Goiás), na Chapada dos Veadeiros, no Vão das Almas território Kalunga, ano de 2016.

Não perca este post especial sobre os Kalungas!

o que fiz

  • Pesquisa Etnográfica
  • Fotografia
  • Audiovisual