Caminho do Sertão 2015 – Engolidos por Deus e cuspidos pelo Diabo

a jornada de sete dias pelo Grande Sertão: Veredas

Juiz de Fora
15 de julho de 2015

Chegando em casa, indo até a padaria mais próxima, olhei para o chão de concreto e vi meus pés.

Que diabos estou fazendo aqui?

Certo é que a gente continua caminhando. E talvez este seja o percurso mais desafiador, este de léguas impermanentes. Caminhar neste intenso, dar um passo e desviar. Errar. Errância. Atravessar no incerto, um pouco mais vagabundos agora, vacilantes, titubeantes, esse vazio em relação ao seu próprio devir e destino, cujo desejo de deslocamento é, por si, a própria revelação da caminhada, a nossa própria motivação manifesta. Desejo esse também itinerante. E a frase de Guimarães não sai da minha cabeça:

“Você tolera o existir?”

Viver é muito perigoso, mesmo. No dicionário Aurélio, descobri a palavra “errabundo” – aquele que faz do tropeço o seu próprio itinerário de desejo – porque ali, logo na próxima dobra da travessia, haverá mais um outro in-certo. SER TÃO errabundo que “a cada passo dado o mundo sai do lugar”.
Na aridez nossa de cada dia, sempre brota um broto verde cheio de água.
Fomos engolidos por Deus e cuspidos pelo Diabo.

FOTO7991-4

SOBRE O CAMINHO DO SERTÃO – 2015

Movidos pelas mais diversas causas, o projeto selecionou 50 caminhantes de todo o país e exterior, entre militantes, ativistas, pesquisadores, ambientalistas, músicos, cineastas, bailarinos, atores, poetas entre outros, para mergulhar, juntos, em uma jornada pelo interior do Brasil. Quem participou do projeto percorreu, entre os dias 04 e 12 de julho de 2015, parte do caminho realizado por Riobaldo, personagem central do livro Grande Sertão: Veredas – rumo ao Liso do Sussuarão. Entre veredas e buritis, foram percorridos, a pé, 170 km em sete dias de expedição por comunidades de geraizeiros onde se encontram folias de reis, mestres e mestras de tradição oral – que dão cor, vida e música ao assombroso imaginário de Guimarães.

Minha gratidão é imensa por todos os organizadores, por todos os companheiros de caminhada e por todos os geraizeiros que coloriram as poesias e poeirias da nossa pele. Para conhecer mais sobre este lindo projeto, acesse a página no Facebook  e o Site oficial.

Logo abaixo você encontra algumas fotografias realizadas durante esta 2a edição do Projeto:

3 Comments

Join the discussion and tell us your opinion.

Caminho do Sertão [em Sagarana] – parte 1 | PoeiradeCanelareply
4 de setembro de 2015 at 05:09

[…] [Estes textos e imagens são referências ao Projeto Caminho do Sertão. Para saber mais, veja este post] […]

Caminho do Sertão [Sagarana] – parte 1 | PoeiradeCanelareply
4 de setembro de 2015 at 05:50

[…] [Estes textos e imagens são referências ao Projeto Caminho do Sertão. Para saber mais, veja este post] […]

SOBRE AQUELES RIOS INACABADOSreply
21 de agosto de 2019 at 16:45

[…] [Estes textos e imagens são referências ao Projeto Caminho do Sertão. Para saber mais, veja este post. […]

Leave a reply